#Angola #Destaques

Sector das águas com investimento de 4 mil milhões USD até 2027

O ministro da Energia e Águas, João Baptista Borges, anunciou, esta quinta, em Nova Iorque (EUA), para o quinquénio 2023-2027, no domínio do abastecimento de água, um investimento superior a 4 mil milhões USD.

Falando na Conferência das Nações Unidas sobre Águas, que decorre de 22 a 24 deste mês, João Baptista Borges avançou que o programa inclui a execução de novos sistemas de captação, tratamento e distribuição de água, que ampliarão, em 1.149 m3/dia, o abastecimento de água no país, em particular Luanda, e a conexão à rede de 1,6 milhões de famílias.

Este esforço financeiro, adiantou, permitirá elevar o consumo per-capita actual de 40 litros/habitante/dia para 70, caminhando para o cumprimento das metas da Agenda 2030 dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

“Não obstante a abundância de recursos hídricos em Angola, existem regiões, na parte sul, ciclicamente afectadas por longas estiagens, que levam à formação de ondas migratórias da população e à transumância animal, custando elevados sacrifícios humanos e materiais”, asseverou o ministro.

Para fazer face ao quadro que se verifica há décadas, João Baptista Boerges frisou que o Governo angolano decidiu, recentemente, desenvolver um programa de acções estruturantes que consiste na construção de canais e transvases entre bacias, bem como a construção de barragens com reservatórios para acumulação de águas pluviais, incluindo a reabilitação de dezenas de açudes, nas províncias do Cunene, Namibe e Huíla.

O programa, disse, com um orçamento de USD 4,5 mil milhões, teve início na província do Cunene, com a conclusão do Canal do CAFU, com captação de águano Rio Cunene e sua distribuição por 165 km de canais abertos, com um potencial benefício para mais de 250 mil pessoas e mais de 300 mil animais, para além da irrigação dos solos ao longo do seu percurso.

Neste esforço, segundo o ministro, o governo conta com a participação de entidades e agências de crédito multilaterais, como o Banco Mundial, o Banco Africano de Desenvolvimento, a Agência Francesa de Desenvolvimento, com quem desenvolve, desde o ano 2018, o Programa de Desenvolvimento Institucional do Sector de Águas (PDISA).

O programa em causa, disse, vai já na sua fase II e com resultados visíveis, quer na vertente de infra-estruturas, com a reabilitação e expansão de sistemas de água municipais, a construção de laboratórios para a aferição da qualidade da água, como na vertente institucional, com a criação e capacitação de 17 empresas provinciais de água que vão gerir os activos em construção, bem como garantir um serviço de qualidade aceitável às populações beneficiadas.

A segunda fase do PDISA, disse, vai incluir os sistemas de saneamento de águas residuais das principais cidades costeiras do país, com o objectivo de melhorar as condições sanitárias das populações e combate às doenças de origem hídrica.

João Baptista Borges, que apela para uma gestão equitativa e racional entre os diferentes utilizadores, numa perspectiva de justiça, equilíbrio intergeracional e harmonia internacional, deu conta que Angola está a desenvolver acções de diferentes dimensões, nomeadamente no plano constitucional e infraconstitucional, da capacitação e reforço institucional, de investimentos em infra-estruturas de abastecimento de água, criação e financiamento de empresas públicas de água e saneamento, regulação económica e tarifária.

Para o ministro, para garantir o direito ao acesso à água potável e ao saneamento goza de dignidade constitucional, o Plano Nacional da Água, com um período de vigência até ao horizonte de 2040, contém uma visão abrangente das acções a desenvolver a curto, médio e longo prazos.

O ministro recordou que o volume de investimentos, no sector de águas, atingiu, no período de 2017 a 2022 um total de USD 1 937,77 milhões, estando a taxa média de acesso, para a população urbana e rural, situada em 60%, considerando um universo populacional de 30 milhões de habitantes.

Conforme o governante, Angola presta, igualmente, elevada importância aos recursos hídricos partilhados, estando vinculada aos compromissos estabelecidos no Protocolo da SADC sobre a matéria e integrada nas 5 comissões internacionais de gestão das bacias dos rios Cunene, Cuvelai, Cubango ou Okavango, Zambeze e Congo-Oubangui-Sangha.

Reunião com Banco Mundial

À margem da Conferência das Nações Unidas sobre a Água – ONU 2023, o ministro João Baptista Borges participou, a convite do Grupo Banco Mundial, do encontro a nível dos ministros de água e saneamento.

Durante o encontro, os presentes partilharam experiências e realizações no concernente aos desafios ainda existentes sobre a água e estimular as acções sobre água e saneamento em desenvolvimento na Região da África Austral e Oriental.

Na ocasião, o ministro João Baptista Borges fez uma panorâmica geral sobre os projectos em curso financiados pelo Banco Mundial, no valor de cerca de USD mil milhões.

O governante angolano falou, igualmente, dos projectos em execução, nomeadamente o Projecto de Melhoria e Acesso do Sector Eléctrico (ESIAP), o Projecto de Desenvolvimento Institucional do Sector de Águas (PDISA) e o projecto Bita.

João Baptista Borges enfatizou a atenção do Governo no Programa de Combate aos Efeitos da Seca na região Sul do país, referindo que a escala e o alcance dos investimentos são imensos, podendo resultar no cumprimento dos ODS para o abastecimento de água e saneamento, com destaque para as áreas rurais.

O governante reafirmou o compromisso de se garantir o desenvolvimento contínuo de diferentes acções e projectos com vista se alcançarem progressivamente e de forma integrada, as metas preconizadas, interna e internacionalmente.

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Aceitar