#Angola #Destaques

FMI destaca “resiliência” da economia angolana

O economista do departamento africano do Fundo Monetário Internacional (FMI) Thibault Lemaire defende que Angola tem de combinar reformas que garantam a manutenção da disciplina orçamental com reformas estruturais e planos de diversificação.

“Em termos prospectivo, é necessária uma combinação de reformas para cumprir as metas orçamentais e da dívida, e assegurar a sustentabilidade e estabilidade, tal inclui a manutenção da disciplina orçamental, bem como a continuação da implementação de reformas orçamentais estruturais e de planos de diversificação”, afirmou Lemaire, citado na Lusa.

Em declarações à Lusa no seguimento da divulgação do relatório do FMI sobre a África subsaariana, no âmbito dos Encontros da Primavera do Fundo, o economista considerou que “Angola tem sido resiliente face aos choques externos e ao ciclo político” e acrescentou que a recuperação do crescimento económico no ano passado assenta no sector não petrolífero.

“A recuperação em 2022 foi impulsionada pelo forte desempenho generalizado do sector não petrolífero e pela recuperação do sector petrolífero, que recuperou, mas cresceu ao ritmo mais lento do que o previsto devido a operações de manutenção temporária no quarto trimestre”, segundo Thibault Lemaire.

Para o FMI, o crescimento médio de Angola nos próximos anos não vai passar dos 4%, devendo acelerar de 2,8%, em 2022, para 3,5%, este ano, e 3,7%, em 2024, ano em que a inflação deverá finalmente baixar para um dígito.

“Em Fevereiro, a inflação atingiu o nível mais baixo em sete anos, impulsionada pela continuação do abrandamento do aumento dos produtos alimentares e por efeitos de base favoráveis”, disse o economista, prevendo que a inflação “continue a abrandar e chegue ao objetivo do Banco Nacional de Angola de um dígito até final de 2024”.

Depois do programa de financiamento ampliado, que terminou em Dezembro de 2021, o FMI “mantêm-se em estreito contacto desde a conclusão do programa de financiamento ampliado, em dezembro de 2021, incluindo assistência técnica nas reformas orçamentais e operações de política monetária”, havendo ainda, conclui Thibault Lemaire, uma “missão de avaliação posterior ao programa de financiamento marcada para Maio de 2023”.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Aceitar