#Angola #Destaques

Governo quer comunicar melhor Angola no exterior e dar voz à Diáspora

Os adidos de imprensa e os directores dos Gabinetes de Comunicação Institucional (GCII) devem mostrar a imagem de Angola no exterior, para a atracção de investimentos, sobretudo nos segmentos cultural e turístico, “conhecida como a indústria da paz”, defendeu ontem o ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, que destacou a importância de ouvir e aproximar também os angolanos na Diáspora.

“O desafio é que Angola seja conhecida em toda a sua plenitude”, disse, citado no Jornal de Angola, Mário Oliveira, no encontro metodológico alargado da Comunicação Institucional do Executivo, que decorreu sob o lema “Trabalhar mais e Comunicar Melhor”.

Os angolanos e o mundo devem conhecer o país que está a ser construído e os progressos alcançados nos mais variados sectores, com realce para o económico e social, destacou.

“O mundo precisa conhecer os esforços que Angola, através do Presidente da República, João Lourenço, tem feito nesta matéria”, disse, adiantando que “é preciso mostrar o progresso social e económico que o país está a registar”.

“Precisamos ouvir os nossos concidadãos onde quer que eles estejam,precisamos aproximar os angolanos que estão na Diáspora do país e fazer com que juntos sejamos poucos para a construção desta grande Nação”, assinalou.

Trabalhar mais e comunicar melhor, acrescentou Mário Oliveira, é importante para que o mundo conheça as contribuições que o Chefe de Estado, João Lourenço, tem dado em prol da paz ao nível do continente, particularmente, tal como a sua classificação Campeão da Paz pela União Africana.

No final do encontro metodológico, que decorreu no Instituto Superior para as Tecnologias de Informação e Comunicação (ISUTIC) e juntou adidos de imprensa, directores de Gabinete de Comunicação Institucional e Imprensa (GCII) e de departamentos ministeriais e empresas públicas estratégicas, o ministro Mário Oliveira sublinhou “hoje em dia as ferramentas tradicionais de comunicação começam a ficar cada vez mais em desuso”. Nisto, as telecomunicações e as tecnologias de informação desempenham um papel muito importante naquilo que é o exercício da comunicação, referiu.

“Hoje a Internet está disponível, é importante que sejamos autodidatas e coloquemos o conhecimento ao serviço da Nação, pois o conhecimento só tem valor quando é partilhado e colocado ao serviço da sociedade e da Nação. Só assim é que nos podemos orgulhar do conhecimento que temos, de outra forma não nos vai servir para nada”.

O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social chamou atenção aos adidos para o uso correcto dos símbolos nacionais e logomarca do Governo. Sobre o tema que mereceu um esclarecimento do ex- Vice-Presidente da República no primeiro dia de trabalho, Mário Oliveira sublinhou ” onde quer que estejam, o vermelho, preto e o amarelo, tal como a catana, a roda dentada e a estrela devem ser mostradas e representar de facto aquilo que é o país e mostrar Angola em todos os cantos do mundo para nos orgulharmos”, disse.

“Orgulhemo-nos deste nosso país, de sermos filhos desta terra, e esse sentimento tem que ser transmitido em todos os cantos do mundo e onde quer que passemos a nossa Bandeira e os nossos símbolos devem ser respeitados”, concluiu, exaltando o patriotismo.

Proposta da Estratégia de Comunicação Institucional

A proposta da Estratégia da Comunicação Institucional do Executivo 2023-2027, apresentada durante o encontro metodológico, para recolha de subsídios para atender as necessidades, expectativas e interesses da Comunicação Institucional, é o documento orientador de toda a comunicação do Governo e o suporte do trabalho que será feito.

O Documento foi desenhado com base no lema “trabalhar mais e comunicar melhor”, lançado pelo Presidente da República João Lourenço. O Projecto corporiza a visão e o objectivo do Executivo, segundo a qual “só com uma comunicação institucional estratégica, planificada, harmonizada e concertada, que atenda a um ecossistema de comunicação abrangente e diversificado, se pode alcançar resultados positivos da reputação e imagem do Executivo

A Estratégia da Comunicação Institucional foi pensada e desenvolvida para ser operacionalizada de forma harmoniosa, com o concurso das mais variadas instituições públicas, disse, referindo-se aos departamentos ministeriais, governos provinciais, missões diplomáticas, instituições públicas estratégicas, além de outros organismos que integram o ecossistema da comunicação em Angola.

Ao apresentar a proposta da Estratégia, o secretário de Estado para a Comunicação Social, Nuno Caldas, disse que a proposta comporta também, entre outras acções, a narrativa da Comunicação Política e Estratégica, a gestão da imagem da reputação do Executivo, eventos regionais e internacionais, serviços de gestão, monitorização e comunicação digital, comunicação de crise e o Plano de Media Training para governantes e servidores.

O Instrumento suporta na sua estruturação, o enquadramento estratégico, justificativas, objectivos gerais e específicos, os princípios e valores, a entidade e a matriz da estratégia de comunicação, a estrutura, o ecossistema, o público-alvo, a mensagem chave, modelo organizacional, actividades de comunicação, formação e treinamento, comunicação digital e comunicação de crise.

Entre as várias temáticas em torno da proposta, destacou essencialmente a comunicação de crise e a comunicação política ou estratégica.

A nível do enquadramento, disse, destaca-se a tarefa da Comunicação Institucional que constitui uma ferramenta estratégica de apoio à gestão da “coisa pública”, com impacto directo na criação do estado de opinião positivo e favorável à imagem de marca e reputação do Executivo em Angola e no exterior do país. “Esta proposta apresentada está dimensionada para a Comunicação Institucional interna e para o exterior do país. Para eficácia e alcance de melhores resultados, deve o Executivo apresentar aqui, um conjunto de tarefas, acções, tácticas de comunicação política e estratégica alinhadas a todas as áreas do ecossistema de Comunicação do Estado”, ressaltou.

Quanto ao capítulo das Justificativas, realçou a essência e o apanágio de que melhor planificar, melhor organizar em articulação e harmonização de governar é transformar. Mas, aponta, nem sempre aquilo que é dito e feito é o que o cidadão entende. Por isso, acrescentou que as acções e decisões governamentais devem ser explicadas para serem percebidas pela maioria da população, estabelecendo, assim, pólos de motivação e satisfação, desfazendo sobretudo equívocos e atenuando os pontos de tensão e ruído.

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

We use cookies to personalise content and ads, to provide social media features and to analyse our traffic. We also share information about your use of our site with our social media, advertising and analytics partners. View more
Aceitar